Ki e Kiai
Quando um japonês está doente, ele diz “byôki”. O primeiro ideograma de byôki, byô, significa doença e o segundo, ki, “espírito, energia, vontade e também ar, atmosfera”.Ou seja, ele não diz que o seu corpo está doente, mas sim que o seu ki, a sua energia está fraca, doente, ou que o fluxo de energia que percorre o seu corpo encontrou um obstáculo. Ao contrário, se está de boa saúde, ele dirá “genki” que significa “vigor, energia, vitalidade, estamina, espírito”. A cultura oriental crê que todas as coisas no universo, a começar pelo homem, estão impregnadas de uma energia que comanda a vida, o equivalente ao élan vital de Henry Bergson. Essa energia, em japonês, tem o nome de ki e é utilizada num sem número de expressões relacionadas com o estado de espírito, a disposição, a vontade, a intenção ou a atenção. Os chineses chamam-lhe chi, e os indianos, prana.O ki, no corpo humano, está concentrado no tanden (Vd. Secção “Mokusô”), que, por sua vez, está localizado no hara (termo mais vulgar de onaka, estômago, abdómen). Os japoneses crêem residir aí o espírito e a fonte da vida. É por isso que os antigos samurais, quando praticavam harakiri (expressão mais vulgar de seppuku) cortavam o ventre, com a intenção de atingir o ponto onde criam residir a força que lhes dava vida.

Numa postura correcta, imaginar o ki fluindo do tanden pelo membro que executa a técnica até ao ponto de impacto ajuda a uma correcta aplicação dos factores dinâmicos e mentais necessários à eficácia dessa técnica. O kiai é outro termo ligado às artes marciais, composto do ideograma ki e do infinitivo do verbo au, do qual um dos significados é “unir, combinar, harmonizar”. Assim, kiai quer dizer “harmonia do ki”, referindo-se à sintonia que deve existir entre diversos factores como a respiração, a vontade, a decisão, a concentração física e mental, “explodindo” no momento de execução de uma técnica. Essa libertação de uma certa tensão acumulada pode, ou não, tomar a forma de um grito, gerado por contracção abdominal. De facto, é necessário não confundir o kiai com o grito. O grito é apenas uma forma de executar o kiai e pode não existir na sua execução. Não deve ser “propositado”, mas sair espontaneamente durante a expiração que acompanha a execução da técnica. Uma forma simples de compreender o kiai é compará-lo ao processo de levantamento de um objecto pesado, por dois trabalhadores. Ritmando  os seus movimentos e respiração, eles dirão algo como “Ho-isss”, expirando e logo contraindo a região abdominal no momento de aplicação da força máxima.
Nihon Karate Do Shoto Kai
(Membro oficial)


Os Mestres

Tetsuji Murakami
Desenvolvido por: Joaquim Trindade
© 2015 -2019, PKS - Associação Portugal Karate-Do Shotokai